Mensagem de fim de ano

Como mensagem de fim de ano, compartilho com vocês uma carta de tarô e uma história que conheci ainda moleque e que até hoje faço questão de relembrar. A carta se chama “Esperança”.
beijos

Leo,,

esperancaA alegria do amor só é possível se você tiver conhecido a alegria de estar sozinho, porque só então você terá algo para compartilhar. De outra forma, serão dois mendigos se encontrando, agarrando-se um ao outro, mas não poderão obter o êxtase. Criarão infelicidade para ambos, porque cada um irá esperar em vão, que o outro o preencha. O outro está esperando a mesma coisa. Não podem se completar. Ambos estão cegos, não podem ajudar um ao outro.

Perdido na Floresta

Ouvi contar de um caçador que se perdeu na selva. Por três dias ele não conseguiu encontrar ninguém para perguntar pelo caminho de volta, e ele estava ficando cada vez mais assustado, entrando em pânico – três dias sem comer e com um medo constante de animais selvagens. Por três dias ele não foi capaz de dormir; ele ficava sentado acordado em alguma árvore, com receio de ser atacado. Havia cobras, leões, e outros animais selvagens.

No quarto dia de manhã cedo, ele viu um homem sentado debaixo de uma árvore. Você pode imaginar sua alegria. Ele correu, abraçou o homem, e disse: “Que alegria!” e o outro homem também o abraçou, e ambos estavam imensamente felizes. Depois eles perguntaram um ao outro, “Por que você está tão contente?”

O primeiro disse, “Eu estava perdido e esperava encontrar alguém.” E o outro disse: “Eu também estou perdido e esperava encontrar alguém. Mas se ambos estamos perdidos então nossa felicidade é pura tolice. Agora estamos perdidos juntos!”

É isso que acontece: você está sozinho, a outra pessoa está sozinha. Então vocês se encontram. Primeiro há a lua-de-mel, o êxtase do encontro, o êxtase por não estarem mais sozinhos. Mas dentro de três dias ou, se você for inteligente o bastante, dentro de três horas… depende de quão inteligente você for. Se for tolo, irá levar mais tempo pois pessoas tolas são aquelas que não aprendem. Caso contrário, uma pessoa inteligente pode perceber em três minutos… “O que estamos tentando fazer? Não vai funcionar. Essa outra pessoa está tão sozinha quanto eu. Agora iremos viver juntos, serão duas solidões juntas. Juntar duas feridas não faz com que elas se curem.”

Cada um de nós é parte dos outros, nenhum homem é uma ilha. Pertencemos a um continente invisível porém infinito. Nossa existência não possui limites.
Contudo, essas experiências só são vividas pelas pessoas que estão se aperfeiçoando, que estão em um estado de amor tão grande consigo mesmas que podem fechar os olhos, ficar sozinhas e ainda assim em êxtase absoluto. Essa é a essência da meditação.
Meditação significa estar em êxtase dentro da sua solidão. Mas, quando você encontra o êxtase em sua solidão, logo esse êxtase se torna tão grande que você não pode contê-lo. Começa a transbordar de você. E quando começa a transbordar, torna-se amor. A meditação permite que o amor surja. E as pessoas que não conheceram a meditação jamais conhecerão o amor. Podem fingir que amam, mas não podem amar de fato. Apenas fingem, porque não têm nada para dar, não estão transbordantes. Amar é compartilhar. Mas antes que você possa compartilhar, você precisa ter algo para dar. A meditação deveria ser a primeira coisa. A meditação é o centro, o amor é a circunferência em torno dela. A meditação é a flor, o amor é o perfume.
Retirado de osho.com por uma boa causa

Anúncios
Mensagem de fim de ano

Noticias – shortcuts sobre pirataria

Sony condenada ao pagamento de 1,5 milhões de dólares por incluir programas anti-pirataria nos CDs

A indemnização será paga aos Estados da Califórnia e do Texas, que levantaram os processos, e encaminhada para os utilizadores que provem ter sofrido danos com a utilização dos CDs protegidos contra cópia nos 180 dias seguintes à sentença. As indemnizações terão um valor mínimo de 175 dólares. (mais)

Pirataria não é problema… no mercado americano!

Por incrível que pareça, a pirataria não é um problema tão grande assim como a imprensa e os estúdios norte-americanos pintam. Pelo menos não nos Estados Unidos.

Recentemente foi divulgado pelo site The Movie Blog, uma pesquisa com um público de 1.725 pessoas dos Estados Unidos, consumidores assíduos da Internet, com idade de 18 anos para cima, e que desse número, apenas 5% já alugaram ou alugam filmes através do meio digital (os filmes disponibilizados nos site para download mediante a compra do produto) e uma porcentagem ainda menor baixam ou assitem filmes de forma ilegal. (mais)

Novela com Pirataria

A novela “global” Páginas da Vida abordará a pirataria de software. Em um dos capítulos, Olívia, personagem vivida por Ana Paula Arósio, será pega utilizando um software pirata no computador da empresa onde trabalha. Quando ela precisar de informações que estão em seu computador, o programa não funcionará e a personagem irá criticar duramente quem comprou o software pirata. Essa ação de “merchandising” é mais uma iniciativa da ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software visando diminuir o uso de programas de computador pirateados no Brasil. (fonte)

Noticias – shortcuts sobre pirataria

Música no Second Life

Um dos meus principais interesses no SecondLife era saber como que funcionava essa história de show ao vivo lá dentro – das possibilidades de se fazer oficinas, com transmissão de audio e video ao vivo lá pra dentro.

Fui na busca e digitei “Live Music”. Apareceram alguns resultados e fui dar uma volta pra ver o que achava. Parei num tal de Crazy Sharks, uma casa de show bem grande. Estava vazia, nenhum show naquela hora. Dei uma volta e achei um grupo de pessoas largadas em pufes e almofadas do lado de fora da casa.

Cheguei perto, cumprimentando o pessoal e logo vi que um casal ali era o dono daquele lugar. Sem cerimônia me apresentei e perguntei se podia tirar umas dúvidas nesse processo de música ao vivo dentro do SeconLife. Eles foram muito gente boa e me explicaram o esquema todo que, por sinal, é um esquema muito bom.

palco.pngTrocando em miúdos, funciona assim: A transmissão de audio e vídeo é feita diretamente de servidores dedicados exclusivamente a isso, que não são servidores do jogo. Isso significa que eu posso, por exemplo, usar o servidor de streaming do estudiolivre pra transmitir meu som pras pessoas dentro do SecondLife. E o tráfego dos servidores do jogo não tem nada a ver com o tráfego do audio e do vídeo, que estão em outro servidor e vão direto pro computador de cada pessoa. Lindo!

Lá pelas tantas uma das pessoas que estavam ali propôs que fizessem uma demostração pra mim. Nos levantamos e fomos até o palco. Em pouco tempo uma das pessas estava transmitindo diretamente de sua casa. Era um músico inglês que faz shows direto no SecondLife e já tem um esqueminha muito bom montado, com mesa de som, o que fez com que o som viesse com uma qualidade muito boa: violão e voz. Ele tocava umas músicas enquanto conversava com a gente. Nós falávamos com ele via texto, pela conversa normal do SecondLife, e ele nos respondia falando.

Pra mim foi muito bom, de cara, já ter uma demonstração dessas, e com as pessoas me explicando tudo. O que achei interessante também é o jeito como as coisas se deram ali dentro. Não aconteceu simplesmente de eu ler um tutorial e ver como as coisas funcionam, ou digitar algumas palavras e ter uma resposta. Tratou-se de uma experiência real mesmo, de conhecer pessoas, de trocar ideias, de relacionamento, etc…

Transmitir experiência: Aliás, essa é uma das coisas que um dos criadores do SecondLife, Bill Lichtenstein, fala em seu manifesto. Ele defende que, através desse jogo, é possível não só transmitir dados, mas experiências, e essa seria a grande revolução… mas isso é assunto pra outro post…

Música Acidental

musicaacidental.pngOutra experiência interessante foi descobrir uma ilha muito louca, cheia de instrumentos musicais. Em um lugar (foto) tem um quadrado com várias caixas de som e um experimento sonoro. Quando você entra dentro desse quadrado e começa a falar (digitar), suas falas vão criando sons aleatórios que começam a ser reproduzidos pelas caixas de som. Em cima das caixas de som vão aparecendo tudo o que já foi falado pelas pessoas que passaram por ali… Quanto mais gente falando, mais o som vai crescendo… Bem legal. Uma pequena amostra do que é possível fazer com essa arquitetura aberta desse mundo maluco…

Leo,,

Música no Second Life

Conhecimentos Livres

Há umas duas semanas esse vídeo foi exibido na 9a Reunião Anual de Ministros da Cultura da Rede Internacional de Políticas Culturais – RIPC, que reuniu ministros da Cultura de mais de 20 países no Rio de Janeiro. O tema proposto pelo país anfitrião foi o direito autoral e, claro, suas mudanças.

Por alguma razão estranha, o audio falha algumas vezes nessa versão do youtube. É possível fazer o download do vídeo neste link do estudiolivre.org.

[kml_flashembed movie=”http://www.youtube.com/v/sFb1n-8LJPA” width=”425″ height=”350″ wmode=”transparent” /]

Conhecimentos Livres

Vamos acabar com o Jabá e com o ECAD

Dois projetos de lei interessantes estão pra ser votados…

Um para a extinção do ECAD (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), e outro para a criminalização do Jabá.

O primeito, o substitutivo do deputado João Batista (PP-SP) ao Projeto de Lei 2850/03, prevê a extinção do ECAD e a criação de um outro orgão em seu lugar, o Centro de Arrecadação e Distribuição de Direitos Autorais (Cadda).

Com o objetivo de evitar irregularidades, esse novo órgão terá seus gastos limitados a 20% da receita apurada com direito autoral, além de passar por uma auditoria periódica independente de suas contas.

Outra inovação do texto é a possibilidade de o compositor requerer os valores relativos a seus direitos diretamente ao Cadda, sem necessidade de filiação a associações

(Fonte: Jornal da Camara – DF, de 05/12/2006)

Muito pouca informação para ter uma opinião bem formada. Mas, a princípio, encarar mexer nesse montro é uma boa iniciativa, tomara que o debate venha a público.

O segundo é o projeto de lei 1.048/03, do deputado Fernando Ferro (PT-PE), que acrescenta um dispositivo ao Código Brasileiro de Telecomunicações, tornando crime a tão frequente prática do jabá. Lucas Santtana blogou:

Pelo PL é crime o recebimento, por parte de proprietário, gerente, responsável, radialista ou apresentador, de vantagem de gravadora, artista, empresário, promotor de concertos ou afins para privilegiar a execução de determinada música, prática conhecida como jabá ou jabaculê. O crime é punível com pena de detenção de um a dois anos, sem prejuízo de sanções de multa, suspensão ou cassação, previstas na lei.

Maravilha

Leo,,

Vamos acabar com o Jabá e com o ECAD

O jogo imita a vida

CopybotsEstava eu lá no SecondLife quando começo a receber uns protestos contra uns tais de CopyBots! “Acabem com os CopyBots!”. “LindenLab! Acabe com o roubo! Impessa os CopyBots”…Obviamente fiquei curioso e fui ver o que era. Conversei com uma mina que tava trabalhando em uma loja, havia umas placas gigantes contra os tais dos CopyBots na porta. Ela estava furiosa! E me indicou que procurasse o que era na internet.

Caí no site da Reuters (pra quem não sabe, a Reuters tem uma redação dentro do SecondLife, com enviados especiais e tudo). Lá explicava tudo. CopyBots são scripts que permitem a quem o use copiar qualquer coisa que veja no mundo. Ou seja, com ele é possível entrar em uma loja e copiar qualquer coisa que você queira: um móvel, o prédio todo, uma textura, uma roupa, um avatar…

Obviamente isso causou a fúria dos comerciantes locais, que reclamavam sua propriedade intelectual. Olha que loucura! Do lado de cá, no mundo real, os comerciantes de CDS e filmes estão desesperados desde que essa onda digital começou. No digital não tem essa de original e cópia, não custa nada copiar, quando alguém dá um filme pra outra pessoa, não fica sem. Os bens não são escassos… essa é a crise do mundo real..

Aí chegam os caras e constróem um mundo digital que segue as regras do mundo real-analógico: os bens são escassos, não dá pra copiar, pq se não o outro fica sem. Aí vai alguém e quebra isso, e de repente tudo é copiável, e eles se vêem na mesma crise do pessoal do lado de cá! genial!

A diferença é que aqui, no mundo real, se pode copiar uma música, mas não um sofá ou uma camiseta. No SecondLife, tudo são bits, não há diferença entre um bem material ou imaterial… Aí a crise é geral.

A qustão é: Será que sobrevive um mundo virtual, onde tudo poderia ser facilmente compartilhaddo, com essas restrições? Aqui do lado de fora a pressão está grande, e a possibilidade de cópia está causando uma revolução cultural. E no mundo virtual? O que vai acontecer?

Leo,,

O jogo imita a vida