E quem não quer que Dilma volte, apoia Temer?

Essa é a sinuca em que estamos. O “Fora Temer” crescendo a cada dia, mas poucos sinais de novas pessoas aderindo ao “Volta, querida”. Como resolver esta equação?

Não existe uma boa saída. Tudo indica que teremos muitos anos de instabilidade e conflitos na política, até termos condições de crescer novamente – digo como nação, não como economia. Uma década talvez. Qualquer coisa diferente disso, qualquer calmaria precoce, indicará que deixamos de enfrentar de frente nossos problemas e que jogamos a sujeira pra baixo do tapete em prol de uma suposta tranquilidade.

Temer ficar é um desastre. Por vários motivos. Em primeiro lugar por sua ilegitimidade. Em segundo lugar, por fazer parte de uma quadrilha criminosa. E, por último, mas não menos importante, por seu projeto fracassado de país. Nos setores com os quais mais se preocupou, como a economia e as relações exteriores, o problema não é, necessariamente, de competência, mas de visão de mundo – e aqui estamos abertos a discordar e discutir. Agora, em todas as outras áreas, todos temos que concordar que o que vemos na esplanada é terra arrasada, com ministros e quadros técnicos despreparados, pagando a fatura enviada pela câmara para aprovar o impeachment. (não quero deixar esse texto longo demais, então não entro em exemplos, só digo que não se compara ao que havia antes).

Novas eleições são assustadoras. Só para presidente? Mantendo deputados e senadores? Quais seriam os candidatos? Quem hoje, no meio desta lama, e com projeção nacional, teria condições de conquistar a confiança da nação? Aparentemente ninguém. Nesse cenário, a quem estaríamos entregando legitimidade para governar o país?

Por fim, caso Dilma volte a presidência, tudo indica que o país fica ingovernável. Se já não havia condições antes, elas não melhoraram. Aliás, todos dizem que o grande problema dela é a incapacidade de diálogo. Talvez este tenha sido seu maior crime, se recusar a dialogar com Cunha e sua laia e, ao se cansar de tentar fazer acordos com bandidos, se isolou. É só uma hipótese. Romântica. Independente disso, não podemos poupá-a de seus erros e da participação do seu partido nos esquemas de corrupção.

Voltando a provocação original, é por isso que boa parte da sociedade está paralisada, sem conseguir agir. Quer os corruptos fora, mas não quer o retorno de Dilma; acha que vai tudo explodir e, na verdade, cansou. Chega. Será que não podemos virar a página e seguir em frente?

É preciso ter coerência e coragem. É desonesto engolir Temer e aceitar esta ruptura da democracia, apoiada em processos jurídicos frágeis, e fundada em interesses sórdidos. Ao fazer isso, você aceita que não está realmente interessado em combater a corrupção. Ao contrário, está disposto a aturá-la, desde que seja operada pelos velhos políticos de sempre, e que possamos parar de falar disso para curtir as olimpíadas.

Eu quero a defesa da democracia e de seus ritos. Eu quero ampla participação popular nas decisões que se seguirão para resolver esta crise. Por isso, de todas as opções, escolho a volta da presidente eleita.

O Brasil está passando por um processo fundamental no amadurecimento da sua democracia. Não podemos interrompê-lo. Apoiadores do impeachment costumavam dizer “primeiro tiramos a Dilma, depois todo o resto”. Pois bem, poupar Temer e seu governo interino é ir contra esta intenção.

O que virá depois não será bom. E não será fácil. Mas como disse, não existe uma boa saída. Este é apenas o começo de uma caminhada, que pode culminar na reconstrução de um país democrático, ou que pode jogá-lo 40 anos para trás na história. A escolha é nossa.

E quem não quer que Dilma volte, apoia Temer?