É tudo novo

Esses dias revi o documentário Ensolarado Byte, sobre a relação de música e tecnologia presente em Recife. Muito bom.

DJ DoloresTem um depoimento nesse vídeo que achei muito bom e tinha me esquecido, dessa vez vou escrever pra ver se guarda na memória. É quando DJ Dolores se refere a fácil rotularização que a música dele muitas vezes tem de “unir o tradicional ao moderno”… ou “o antigo ao novo”. “Como se tocar rabeca não fosse uma coisa contemporânea!”, ele diz.

Acho essa reflexão importantíssima. Ele, ao colocar no palco, ao mesmo tempo, Lia de Itamaracá, ou um rabequeiro, para tocar junto com seus samples e parafernalha eletrônica, está, de fato, misturando duas linguagens contemporâneas. A rabeca é mais antiga, mas não é coisa do passado.

Os maracatus são antigos, mas não são coisas do passado. São expressões culturais atuais, vivas, que influenciam e são influenciadas por outras. Expressões tão atuais quanto web-art ou qualquer outra arte eletrônica.

Mestre Salustiano é contemporâneo de Kraftwerk!

Leo,,

Anúncios
É tudo novo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s