Música não é engenharia

Por influência do meu irmão mais velho comecei a tocar bateria muito cedo, por volta dos 12 anos de idade.

Toquei durante alguns anos e parei. Voltei a tocar nos tempos de faculdade, com 18, por vários anos e voltei a parar. Durante todo esse tempo mantive amigos músicos que, ao contrário de mim, nunca pararam de tocar.

há 10 anos atrás, quando estava na faculdade retomando os ensaios, estava enferrujado, ficando tecnicamente para trás da maioria dos meus parceiros. Uma década depois, o pessoal todo evoluiu muito, enquanto eu me preocupava com outras coisas, apesar de nunca ter aberto mão do violão.

Para minha surpresa, ano passado fui convidado a tocar junto com Ale Carmani, músico, compositor e amigo que admiro muito. Fizemos muitos ensaios e um par de shows até que, mais uma vez, desviei meu caminho e fui morar na Amazônia enquanto eles procuravam um baterista substituto.

Bateristas talentosos não faltam em nosso círculo de amizades. Mas como música não é engenharia e a técnica  não é tudo que importa, a banda acabou parada durante minha ausência, e ontem fizemos nosso primeiro ensaio desde a minha volta a São Paulo.

Aviso sobre shows por aqui.

Leo,,

Música não é engenharia

Popularidade em xeque

youtube_stats_screenshot-20080305-040646.jpgNinguém sabe explicar como é que esse vídeo clipe não oficial da Cansei de Ser Sexy teve quase 90 milhões de visualizações (até agora) e passou a ser o vídeo mais tocado no You tube em todos os tempos, ultrapassando o ridículo Evolution of Dance, que hoje tem 77 milhões.

Todo mundo argumenta que só pode ter sido algum truque que elevou os números de views do vídeo de forma artificial, já que nada justifica tamanha popularidade. Nem o fato de se tratar de uma música que tocou num comercial do iPod Touch nem o fato de conter a palavra “Sex” no nome parecem justificar um sucesso tão grande.

A desconfiança não é a toa. Existem até empresas que vendem serviços especializados em aumentar repentinamente (e artificailmente) sua popularidade em sites como o MySpace. Este post no Idolator mostra a negociação de uma banda com uma empresa que prometia 430.000 plays por mês nas músicas por US$1200,00 .

O blogueiro Andy Baio chegou mesmo a investigar a fundo a questão e publicou uma análise que mostrava grandes indícios de fraude. Ele percebeu uma relação pouco comum entre a quantidade de visualizações do vídeo da CSS e a quantidade de ratings que o vídeo teve. Segundo ele, foi uma relação de 21.487 visualizações para cada rating que o vídeo recebeu, enquanto todos os outros vídeos mais populares do youtube tem uma relação média de 545 para 1.

Quando vi o vídeo, logo reparei que no titulo havia a frase “Vote Obama 2008”. Imaginei que isso tivesse chamado muitas visualizações por conta das eleiçoes americanas. Mas estava errado. O mesmo Andy Baio conseguiu fazer uma entrevista com o autor do vídeo, um italiano chamado Clarus Bartel, e ele explicou:

Eu tomei proveito da visibilidade do vídeo e adicionei o “Vote Obama” porque, mesmo sendo italiano, estou acompanhando as primárias de perto e espero ver um afro-americano na Casa Branca.

Foi o contrário do que eu pensei. E essa entrevista parece também ter derrubado os argumentos do Andy, já que o autor disse que desligou os ratings do vídeo por acidente, por isso ele teria tão poucos votos.

A banda, foco central de toda história, parece não ter nada a ver com o caso, e o autor, que parece sincero em sua entrevista, igualmente não levanta suspeitas. O que nos deixa com mais um mistério na mão. O que levou esse vídeo ao topo da audiência do YouTube?

Andy Baio disse que está tentando contactar o Google, dono do youtube. E este já se pronunciou dizendo que preza muito pelo sistema de popularidade do site e não deixará que técinicas maliciosas o manipulem. Vamos aguardar mais notícias.

E, com certeza, o efeito bola de neve não pode ser ignorado. Com certeza as últimos milhões de visualizações que o vídeo recebeu foram de pessoas que queriam ver “que vídeo é esse que se tornou tão popular? por quê?”.

Por quê? Ninguém sabe.

Leo,,

Popularidade em xeque