Archive | março, 2009

Download é crime? Impressões sobre o debate

23 mar

Assisti o debate que rolou na MTV com o títutlo: “É crime baixar músicas e filmes?”. O debate foi tenso, com muita carga emotiva na fala do pessoal que defendia a cultura livre, Sergio Amadeu e Marcelo Branco, e muita ironia no pessoal da indústria. Lobão surpreendeu como péssimo mediador, tomando as dores e se tornando um quarto elemento da ‘turma do deixa-disso, a indústria é legal’.

O debate pode ser assistido aqui.

Apesar das ótimas e viscerais intervenções de Sergio e Marcelo, queria puxar aqui alguns pontos que considero essenciais e que ficaram de fora do debate. Acho que são importantes para organizarmos a ideia quando formos entrar numa conversa dessas:

1. Diferenciar pirataria física de download: Em nenhum momento no debate foi pontuada a diferença entre o pirata que cria uma máfia para duplicar CDs e DVDs e vendê-los pela rua da pessoa que faz downloads para uso pessoal. Estavam todos no mesmo balaio durante a discussão. Apesar da divisão ser senso comum para muitos, acho que isso deve ser sempre pontuado explicitamente. (essa confusão acontece logo no início do debate, quando Sergio dá o exemplo das fias k-7 e Lobão o interrompe dizendo que antes a fita k-7 não tinha valor de venda como tem os CDs piratas hoje…. Sergio se referia a fita pra uso pessoal, Lobão fala do comercio…)

2. O download dá acesso a quem não tem acesso: O debate aconteceu em São Paulo, cheio de pessoas que moram em grandes centros urbanos, têm acesso a bons cinemas, boas lojas de discos, banda larga e etc. Nesses debates temos que nos lembrar dos maiores beneficiados pelo acesso ilimitado a cultura.

Vamos tomar por exemplo a cidade de Santarém, no Pará. Com mais de 400 mil habitantes, é o principal centro urbano do Oeste do Pará e da região do Tapajós. Lá não há nenhuma sala de cinema, e as locadoras e lojas de discos não contam com um catálogo muito extenso. A internet dá a possibiilidade a população dessa cidade, e de milhares de outras, de terem acesso a cultura de igual para igual aos grandes centros. A pergunta que deve ser feita aos representantes da indústria é: “Você acredita que as pessoas que moram nessas cidades (que são maiorira no país) não devem ter acesso a todos esses bens culturais apesar de terem a possibilidade?”. E note que essas pessoas não causam prejuízo a indústria, já que, mesmo que elas quisessem, não tem como consumir esses conteúdos!

E as pessoas que vivem nas cidades e comunidades há 3, 6, 12 horas de barco de Santarém? Também devem abdicar da possibilidade de se integrar ao mundo? “O senhor, representante da indústria, realmente acredita que o melhor a ser feito é excluir todas essas pessoas? Estamos falando da maior parte do território nacional.”

E eu? que moro em São Paulo, mas nunca teria acesso a filmes chineses, turcos, holandeses ou croatas e posso ter. Também devo vendar meus olhos? E ao acervo de filmes e músicas históricas, da década de 50, 60, que não teria outra oportunidade de ver a não ser pela internet. Devo fechar meus olhos e assistir Tela Quente?

Se não trouxermos essas questões a tona, parece que tudo o que queremos é poder assistir Lost ao mesmo tempo que os americanos…

3. Não há comprovação de prejuízos a indústria decorrentes do download, ao contrário, há estudos que mostram que ele é benéfico: Mais de um estudo já foi publicando trazendo números que mostram que o compartilhamento de arquivos de músicas e filme befeficia a indústria, uma vez que a maior parte das pessoas que fazem o download já não comprariam o produto de qualquer maneira. Além disso, muitas pessoas compram o CD ou o filme depois de terem tomado contato com um novo artista através do download.

Isso é essencial pois relativiza o que é colocado como uma premissa: ‘O download gera prejuízo’.

4. Cadê os músicos? Acredito que, como falamos tanto a respeito da eliminação do intermediário, não podemos mais fazer debates desse gênero sem a participação do artista: do músico, do escritor, do diretor, etc. Começa a ficar estranho executivos, advogados, intelectuais e ativistas se debatendo para defender o interesse de alguém que não está ali.

Leo,,